Foto: Khalid Albaih

Dinâmicas transnacionais em tempos de Internet: jovens, mobilização e apropriação do Facebook na Colômbia e no Brasil

Conclusão

O estudo dos dois casos latino-americanos, mantendo como pano de fundo um olhar sobre a dinâmica de outros movimentos contemporâneos, nos permite observar semelhanças em termos da orientação não partidária, da organização que tende a ser horizontal e da estruturação em comissões, das apropriações de redes digitais como o Facebook, das críticas contra modos de funcionamento centralizados próprios das instituições políticas clássicas, ao mesmo tempo que estas dinâmicas coexistem com a persistência de modos de funcionamento mais próximos à democracia representativa do que à democracia direta. As ferramentas da Internet podem ser apropriadas de maneiras muito diferentes. E a forma específica que a Internet assume é inseparável dessas apropriações singulares e múltiplas. Estes movimentos transmitem utopias recriadas no seio de sua ação coletiva e anunciam e propõem outros modos de viver juntos, em que a atividade on-line e off-line se integram para produzir realidades que juntam experiências, afetos14 e saberes acumulados de formas de organização e mobilização precedentes, com os desejos, projetos e manifestações que procuram criar condições de possibilidade de existência. Isso inclui mobilizar-se por contribuir para gerar ações e construir um mundo capaz de superar as fortes desigualdades sociais e econômicas e profundas restrições das democracias que estas gerações de jovens têm experimentado. Muitas das reivindicações e práticas são novas e outras encarnam formas de continuidade frente a movimentos anteriores. No entanto, as plataformas que medeiam a atividade desses movimentos têm lugar num mundo midiático, social e político em mutação. Muitas das mudanças e dinâmicas que estão se produzindo expressam as singularidades dos atores e contextos locais e, por sua vez, maneiras de agir coletivamente e mobilizar-se para além das fronteiras nacionais e continentais.

14 Andrea Bonvillani (2013, 2015), realiza uma valiosa contribuição a este respeito através da pesquisa sobre a elaboração política da alegria e sobre o lugar dos afetos no contexto de ações e mobilizações juvenis.

 

Referências bibliográficas

ALGOPOL. Le projet Algopol. Disponível em: http://app.algopol.fr/info#.

BONVILLANI, A. (Org.). Callejeando la alegría… Y también el bajón. Etnografía colectiva de la marcha de la gorra. Córdoba: Encuentro Grupo Editor, 2015.

BONVILLANI, A. Cuerpos en marcha: emocionalidad política en las formas festivas de protesta juvenil. Nomadas, v. 39, p. 90-103, 2013.

CARDON, D. La démocratie Internet: Promesses et limites. Paris: Seuil, 2010.

CASTELLS, M. Internet y la sociedad red. La factoría, n. 14, fev./set., 2001.

CRUZ, E. La mane y el paro nacional universitario de 2011 en Colombia. Ciencia Política, n. 14, jul./dez., 2012. Disponível em: http://revistas.unal.edu.co/index.php/cienciapol/article/view/41520

FEIXA, C.; OLIART, P. (Org.). Juvenopedia: Mapeo de las juventudes iberoamericanas. Barcelona: NED Ediciones, 2016.

FEIXA, C.; LECCARDI, C.; NILAN, P. (Org.). Youth, Spaces & Times. Agoras and Chronotopes in the Global City. Leiden & Boston: Brill, 2016.

FEIXA, C.. De la generación @ a la # generación. Barcelona: NED, 2014.

FERNANDEZ-PLANELLS, A. Keeping up with the news. Youth Culture, Social Activism & Digital Communication. 2015. Tese de Doutorado. Universitat Pombeu Fabra, Barcelona, 2015.

GALINDO-RAMIREZ L.; OLIVEIRA, R. Movimientos juveniles y usos de las tecnologías digitales en América Latina: Ocupa Sampa de São Paulo y Movimiento estudiantil colombiano MANE. In: CUBIDES, H. et al (Org.) Juventudes latinoamericanas. Prácticas socioculturales, políticas y políticas públicas. Buenos Aires: Clacso, 2014. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/gt/20150522115424/juventudes.pdf

GALINDO-RAMIREZ, L. Política y juventud en la era digital: una mirada a través de los casos de Colombia y Brasil. In: ACOSTA, F. (Org.). Jóvenes, juventudes, participación y políticas. Asociados, organizados y en movimiento. Bogotá: Subdirección para la juventud, Alcaldía Mayor de Bogotá, Obsevatorio de Juventud de la Universidad Nacional de Colombia, 2015. Disponível em: http://old.integracionsocial.gov.co/anexos/documentos/2_cdv/catalogo_2015/Jovenes,%20Juventudes%20Participacion.pdf

HARVEY, D. et al. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.

OLIVEIRA, R. Cibercultura, apropriação do espaço público e os usos da cultura digital: o caso do Ocupa Sampa, os Indignados de São Paulo. Trabalho apresentado no 38º Encontro Anual da Anpocs, GT04 – Ciberpolítica, ciberativismo e cibercultura, Caxambu, Brasil, 2014.

OLIVEIRA, R.; SEGURADO, R. Web Activism in São Paulo: New Political Practices. Disponível em: http://www.laviedesidees.fr/_de-Cassia-Alves-Oliveira-Rita_.html, http://www.booksandideas.net/Web-Activism-in-Sao-Paulo-New.html Acesso em: 14 jul. 2014.

VIRILIO, P. Cybermonde, la politique du pire. Paris: Textuel, 1996.

Resumo

Este artigo centra-se no estudo de dois casos da América Latina, a saber: o movimento estudantil colombiano e Ocupa Sampa, no Brasil, cuja ação primeira foi realizada em 2011. A pesquisa corresponde à análise das transformações das práticas políticas juvenis mediadas pela Internet e pelo Facebook, especialmente, a partir dos dois casos estudados e propõe algumas reflexões sobre as reconfigurações sócio-políticos e midiáticas contemporâneas. A integração das dimensões on-line e off-line dos casos estudados sugere elementos de reflexão, levando em conta que eles se tornam uma grande janela que permite questionar singularidades, assim como aspectos que têm em comum com outros movimentos de seu tempo. A questão do “não partidarismo”, o modo de funcionamento por comissões e a busca de novas formas de organização e ação que articulam o seu carácter local com dinâmicas internacionais são objeto de reflexão neste texto.

Palavras-chave: Internet, juventude, política, Colômbia, Brasil.

Data de recebimento: 11/05/2016

Data de aprovação: 04/08/2016

Liliana Galindo Ramírez lilianagalindoramirez@gmail.com

Doutoranda em Ciência Política, Universidade de Grenoble; Doutoranda Visitante no Centro de Pesquisa Política de Sciences Po Paris; Pesquisadora do Observatório de Juventude, socióloga e Mestre em Sociologia Cultural na Universidad Nacional de Colombia. Ciudadan@s por la Paz de Colombia (Paris, Bogotá, Rio de Janeiro). Colaboradora do projeto transnacional Generación Indignada – Genind.